08 junho 2005

O sonho de 1989 e o pesadelo presente!

Lula Presidente, em 1989. Olhando lá, olhando cá, não dá vontade de chorar?!

Em 1989, durante a campanha presidencial da efetiva redemocratização política do Brasil, eu ainda era menino, mas me lembro a empunhar uma imensa bandeira vermelha, cheia de esperança, maior que eu, maior que todos os meus sonhos. Olhando essa imagem, no sorriso sincero de alguém que me fez acreditar na força do sonho humano e na dignidade da política, sinto realmente muita vontade de chorar. Muita vontade mesmo... É como se os sonhos, como dizia Mariatégui, fossem às coisas, mas se coisificassem, perdendo brilho e matando a beleza da gente, a força que nos move, o sorriso que nos conduz.
Olhar para 1989 é reacender alguma centelha... Mas, vendo-o capitular diante dos dias atuais, é também verdade que bate forte no peito uma forma estranha de dor, de desencanto...
Bom, que tudo isso, que toda essa dor, que toda essa angústia... que nada disso nos permita perder a esperança. Teremos, assim, perdido a razão de viver. E com muito, muito medo de sermos efetiva, gloriosa e imensamente felizes!