22 junho 2006

Como tão bem nos ensinou o saudoso Passarinho...


O poeta passarinho, genial mestre Mário Quintana, costumava repetir uma de suas mais brilhantes sentenças com certa regularidade: "A imaginação é a memória que enlouqueceu". Decerto, o poeta dos pampas interrogava a famigerada ausência de idéias numa memória incapaz de conviver com qualquer fortuito ou mesmo súbito ato de verdadeira e criativa imaginação. No ano em que completaria 100 anos, esta é mais uma das tantas e tantas singelas homenagens que presto sempre ao poeta que me ensinou, sobretudo, a valorizar o amor ao próximo, a lutar por engrandecer tudo que possa dizer respeito ao ser humano, na deliciosa desventura de seu viver, belo e trágico, intenso, profundo, breve, imponderado... A obra acima é do artista plástico Paulo Jeres, assinada em 2005. Um pouco sobre o atual estágio das boas e humanas idéias.