17 julho 2007

Onde

IL LABIRINTO, de Lafranco

por Marco A. Rossi

Dei três ou quatro voltas
Olhei para dois, três lados
Percebi duas ou três vezes a sua presença
Mas você não estava lá

Senti remorso, dor no peito
Quantas vezes fugi?
Quantas vezes você fingiu?
Tudo que fizemos, na verdade, foi não nos percebermos

O frio se instaura, não aquiesce ao desejo por calor
A chaga de um tempo que não solicita nem permite cicatrizes
Cicatrizes ou chagas?
Quais delas persistem?

Creio ser uma chaga que não cicatriza
Uma cicatriz marcada por mil chagas
Sim, um estigmatizado
Um sei-lá-o-quê indelevelmente cheio de você

Cheio de suas ausências e presenças
Desenganos e perfeições
Abandonos e soluções
Beijos, saliva, gozo e refugo

Onde está?
Olho duas, três vezes
Atravesso duas, três vitrines ou paisagens

No campo e na cidade
No Coração de Benjamin e em seu caminho
Sinto duas, três, quatro vezes a imensa dor de seu não-vir