13 outubro 2007

Saudade...

Paulo Autran
1922 - 2007


Obrigado, Paulo Autran! Meus sinceros agradecimentos por sempre insistir na grande arte, na estrondosa interpretação, no superlativo sentimento, na inabalável sensibilidade. Nunca terei como corresponder às emoções que pude sentir ao vê-lo na alma e na pele de Próspero, encantando shakesperianamente a cidade de Londrina, ao ar livre, nos meus tempos de universitarismo pueril. Minhas odes ao amor que me ensinou a prestar à cultura e ao humano. E, em instância sempre superior, meus verdadeiros dizeres de honra e orgulho por tê-lo como mestre, como sábio num tempo de tantas sandices e formas banais de estupidez e desperdício da vida humana. Já está fazendo falta, Paulo Autran. Veremo-nos um dia para brindar a face interminável da arte, da cultura e da explosão dos viveres amorosos, humanos.