21 abril 2008

DÉJÀ-VU

"Deja Vu", óleo sobre tela, de Guan Zeju (2005)

por Marco A. Rossi

Memória
fonte do imprevisível
do inaudito
de tudo que possa
surpreender, ocupar a idéia
suscitar o porvir

Notícias de ontem
histórias de sempre
vidas cruzadas
para sempre distantes, agora
para sempre saudosas, viva!

Imagens
lembranças, tons, sons
sentidos, emoções, pulsões de amor

Tudo realmente passou
se foi
se fez
criou tanto
agora é luz
pura reflexividade, instantes para recordar
encantar
entreabrir lábios, fazer sorrir
humanizar

Vida em movimento