20 fevereiro 2010

Crônicas do mundo ao avesso I

O burocrata perguntou ao seu operador no pregão: "Nossos negócios vão bem, rapaz?"

O rapaz, radiante, respondeu: "Maravilhosamente, senhor! Nunca entrou tanto recurso pra gente gastar, torrar"

Ao que o vendido dirigente empastelado lembrou: "Não se esqueça de colocar as pessoas que trabalham conosco nos discursos"

O rapaz, confuso, retrucou: "Como assim, senhor, eu não entendi..."

"É que as pessoas precisam aparecer em algum lugar. No lugar real, deixemos o dinheiro. Para o ouvido dos crédulos e imbecis, o ser humano!"