16 junho 2010

Aforismos - A arte de viver

"Geometrias", fotografia de Rod Costa

A arte da vida é surreal e, ao mesmo tempo- paradoxo total! -, pós-moderna: expressa muito do inexpressável e rabisca possibilidades ousadas, fazendo contornos sutis em grossas vigas e calcando a tinta em tênues e fragilíssimas linhas.

O risco, traço inevitável da arte de viver, experimenta a dupla loucura da dialética certeza/incerteza. Incertos, arriscamos a toda a hora, na honesta busca de acertar. Certos de estarmos certos, driblamos as incertezas fingindo que elas não nos incomodam ou, no limite, nem existem.

Investir em palavras é prolongar nossa presença no mundo para muito além de nossa temporalidade/espacialidade. Viver sob o signo da palavra num mundo tão comprimido e veloz é pressupor capturar o tempo e estender ao infinito nossas geografias pessoais, nossas arquiteturas particulares do belo, do correto, do aprazível. Insitir na palavra, contudo, é provocar espaços e deles exigir novas entradas para novas ideias, novos sujeitos. Novos tempos, pois.