21 outubro 2011

Versando


A antidiva estadunidense Lexi Belle (Louisiana, 1987) perpassa muitos "entreversos" da minha poesia do mundo

Adoro versos:
revelam-me inversos e reversos.
No reflexo,
o perverso do universo,
tão controverso;
na verdade, multiverso.

Versando,
sinto-me diariamente
caminhando,
publicando, 
facilitando cantos,
insaciável que sou
por encantos.

Esforçado, 
quero ver o tom versado,
eternamente complicado,
mérito do traslado
por ideais dinamitado,
partilhado, comungado.

Dos versos
elaboro,
em meio a espíritos imersos,
um pulso complexo
de desejos ora desconexos,
ora simplesmente
perplexos;
na luta e na vida,
voz e coração anexos.

Retraído e reticente,
explosivo e transparente,
meu verso é meu olhar,
ansioso por outro patamar
de sol, luz e mar.
O sonho único que tenho
é de o mundo escrever,
narrar,
versar.

Meu falar é o verso amar.
Meu agir é o verso colorir.
Meu mundo é o verso universalizar.

Mudar e amar,
versando.