11 dezembro 2012

Coração do mundo


Eu sonho sobrevoar o mar,
o mar que há em mim,
avistá-lo, tentar decifrá-lo,
anunciá-lo ao porvir.

No mar do mundo,
com as mãos que para sempre
serão tricolores,
antecipo a viagem da esperança -
ela vive em mim,
num interminável itinerário,
entre os meus sentidos
e os gritos do povo.

Atravessando nevoeiros,
pressinto a força que me move,
uma implacável disputa entre gigantes,
siameses,
que vivem no peito,
na coragem que ousa,
forja,
partilha um olhar solidário,
um coração do mundo.

No geral e
no particular,
eu só sei ser assim,
a fim,
o velho menino
de sonhos novos -
e eternos, na vitalidade
de seu longo tempo.