22 janeiro 2013

Vida que segue


Há uma expressão que encontra poderoso sentido em todas as línguas e culturas do planeta. Eu falo da sentença “vida que segue”.

Impossível fugir à dor, recusar problemas, evitar derrotas. Tão improvável quanto escapar aos infortúnios é acreditar que possa haver alegria, solução e vitória longe de suas antíteses, de seus imediatos contrários.

Quantos projetos enterramos? Quantas injustiças vemos, ouvimos, chegamos a tocar? Quantos erros cometemos? Quantos acertos nossos não são vistos por ninguém, nem por nós mesmos? 

A cada derrota - em nome das inevitáveis perdas, distrações, incompreensões, depois que a poeira baixa e damos a volta por cima - dizemos: “Vida que segue”.

A vida que segue sugere que caminhemos mais, olhemos cuidadosamente à volta, dediquemos carinho às pessoas e às ideias – e esqueçamos as coisas e os problemas que vem e vão com elas, as formas inanimadas da angústia e da infelicidade.

Ao perdermos alguém que ocupava coração e mente, sentimos um vazio  imenso. Passados os dias, entendemos que há uma vida que segue, que precisa seguir para render homenagens aos que passam e deixam lições apaixonadas de vida. 

Não raro, perdemos batalhas prontas, disputas dadas. Em seguida, damo-nos conta de que os supostos vencedores mentiram, sufocaram números, aprisionaram opiniões, compraram visões e pareceres. A derrota, que, para nós, significa sair à cata de energias em labirintos ameaçadores, logo grita: “Vida que segue”.

No Oriente ou no Ocidente, para crentes e não crentes, jovens e idosos, homens e mulheres, para todos e em toda parte, enfim, a vida que segue se renova diariamente. Aqueles que puderem dessa inadiável constatação aprender lições de coerência, coragem e equilíbrio seguirão melhor ao lado da fé na vida, a melhor companhia que há.

Num mundo que faz elogios exclusivos e altamente sonoros aos vencedores, a vida que segue ensina que devemos acompanhar os derrotados, aqueles que perdem, sim, mas nunca se enganam; não traem nem jamais retiram os olhos do horizonte. É para lá, onde nasce o sol e se põe a lua, que a vida que segue dirige seus passos, encaminha toda a sua aventura.