28 julho 2013

A loba casou em Copenhague


Casou-se na Dinamarca, num exuberante palácio de frente para a Baía de Copenhague. Linda e ferina, roubou todas as cenas. Desde que a vi pela primeira vez, nunca esteve tão sedutora e, ao mesmo tempo, tão angelical.

Ela não se casou comigo.

Nosso hoje impossível casório seria numa provinciana cidade no interior do Paraná, com as mesas dos convidados forradas pelos textos de amor que lhe escrevi. Nosso apartamento - nunca tivemos certeza se moraríamos em Londrina ou no Arpoador - teria como elemento privilegiado da decoração cartazes dos filmes de que mais gostamos. Combinamos que seria um luxo, um ambiente aconchegante, cult, que transpirasse paixão pelas paredes.

Esse apartamento nunca existirá.

Saí pelas ruas de Copenhague com a cabeça no céu, pensativo, me sentindo verdadeiramente derrotado. Eu nem havia sido convidado para o casamento. Soube da grande noite pela coluna social do jornal. Eu estava na Escandinávia lançando meu romance de estreia, já traduzido para treze idiomas.

Voltei para o Brasil e comecei a escrever a continuação do meu primeiro livro de sucesso.