04 outubro 2015

Sinto falta



Sinto falta daquele
clima, daquela
gente, daquelas
tardes de garoa.

Sinto falta de
tudo, de mais
um pouco, todo
dia, das
canções, dos
acordes
de guitarra, da
cerveja que
prometia
o mundo
inteiro, no
abraço, no
riso livre, no
amanhã
generoso, nosso,
deles, de
todos.

Sinto falta de
não sentir falta, de
não chorar, de
não lamentar.

Sinto falta de
ontem, das lutas
que travei, da
advogada com a qual
não casei, do
sujeito que fui, da
justiça que ansiei, do
tempo pleno, dos
amores pueris e
platônicos, do
sexo imaginário e
vibrante, do
beijo que anunciava
a revolução.

Sinto falta das
velhas ruas, dos antigos
companheiros, dos
sonhos que
deixei
morrer, do
disco que
não gravei, do
festival em que
não toquei, do
coração que
não encontrei.

Sinto falta
de mim.