05 dezembro 2016

Grito


Há um grito
que prendo no peito
que impeço de viver.

Tenho medo
de não saber
o que fazer
com aquilo
que em mim
deseja explodir.

Há um grito
e um homem
e um menino
todos à espera
de amor
e uma pitada
de falta de juízo.

Não entendo
por que isso
tudo ocorre
comigo
contra mim
limitando
minha alma
sufocando
meu corpo
entristecendo
minhas tantas
paixões.

Há um grito
que quer cantar
que quer declamar
poesia
que sabe versar
prosas
que tem prazer
para dar
e aceita muitas
emoções
fantasias
tabus
searas proibidas.

Há um grito
um berro
um coração
desesperado
um homem
prostrado
um corpo
em chamas.

Há um grito
preso
exilado n'alma
que ninguém quer.

Há um grito
sem ninguém
para amá-lo
sem ninguém
para acalmá-lo.

Há um grito.
Eis-me aqui.